segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Ribeiro, muito gostoso.

O Ribeiro é uma delícia, fato, todo mundo já sabe.

Mas é muito fácil ser colírio com uma barriguinha dessa, com essa barba, com esses braços, com essa clavícula (eu adoro clavículas), mas gente... Quem aqui quer saber de bunda durinha e barriga tanquinho? Afinal, o menino pode até ser engraçadinho, mas sexy-appeal mesmo tem é o pai.

Ai, gatas, João Ubaldo Ribeiro. O pai, o gostoso, o delício de verdade.
Quem conhece a literatura dele não precisa ter dúvidas quanto o approuch, mas se alguma desamélia aqui não conhece a sensualidade ubaldiana, vai a dica: leiam A CASA DOS BUDAS DITOSOS, que é o livro correspondente à LUXÚRIA na coleção Plenos Pecados 



Leiam porque é um tesão do começo ao fim. Luxúria pura, mesmo. Além de humor e piadinhas muito inteligentes.

Além de tudo, o tesão aqui já ganhou o Prêmio Camões. Mais sexy que isso só se fosse o Nobel...

                                                    

Pra finalizar posso contar uma coisa delicinha pra vocês? Tem um documentário que chama Janela da Alma que discute esse negócio de visão, olhar etc. O nosso colírio diz que sempre enxergou muito mal e curtia transar de óculos, pra ver bem quem tava pegando. As meninas estranhavam mas sabe qual é nome disso pra mim??

FETICHE.

6 comentários:

Carol disse...

rosa, vc é gênia.

Adriano disse...

E além de tudo é anti-tucano

Gisela Zaffalon Bobato disse...

Nossa, não sabia que o João Ubaldo era pai do carinha da MTV. Poxa, que decadência, hein? Dá-lhe João Ubaldo! Muito mais colírio pros nossos olhos!

Sacada genial, hein, Rosa!

Tirésias disse...

eu abro mão da visão física. melhor descobrir pelo tato. cada um com seu fetiche, né.

bruno mendes disse...

"Três, três é o número ideal para um grupo, quaisquer que sejam os sexos dos participantes, inclusive misturado." (RIBEIRO, João Ubaldo. A casa dos budas ditosos - Luxúria - Col. Plenos Pecados. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1999.)

Danielle disse...

Eu daria um RT no mocinho aí acima, pq essa passagem é muito sábia!

E pra finalizar: ele não é um fofo?!