quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Elas e o pornô

Um leitor lançou a ideia e nós topamos: dar a nossa opinião sobre os filmes pornô. E fomos além: chamamos mais três meninas para contarem suas experiências sobre o assunto. Ellien, Gisela e Thayara curtiram a ideia e o resultado tá aí embaixo. Quem falou o quê fica por conta da imaginação de vocês. São opiniões distintas, mas uma coisa é consenso: mulher gosta de sensualidade. E tem mais: foi Emmanuelle, a diva, quem nos iniciou.


mas pornográfico é pornográfico e erótico é erótico

Quando era adolescente esperava os sábados à noite ao lado do meu irmão para assistir ao cine privê.
Era engraçado e aproveitávamos para conhecer os nossos corpos, potencialidades. O perigo era dormir com a TV ligada e o pai pegar na surdina da noite.
Mas depois da maçante sessão de Emmanuelle cansei de ver só o corpo das mulheres. Já estava crescendo e queria saber mais sobre o corpo dos homens também. Passada a euforia adolescente, abandonei o cine privê pelas noitadas ao vivo e a cores. Depois de anos torcendo o nariz para os filmes pornográficos do meu irmão (ele também cresceu, mas continuou) parei de me auto cesurar e decidi assistir alguns títulos. O bom do sexo - e da vida - é experimentar não é?
É, pode chamar de mulherzinha, mas pornográfico é pornográfico e erótico é erótico. E a linha tênue que separa esses dois horizontes é muito maior do que, para usar uma expressão daqui mesmo, uma calcinha de ladinho.
A sutil diferença entre os focos desesperados, o bater carne na carne, as libidos forçadas e os gemidos estratosféricos de grandes performances deram lugar, em mim, à curiosidade dos filmes romântico eróticos. Para as novatas, aconselho 9 1/2 Semanas de Amor e O último Tango em Paris (em frânces por favor e ah! a cena da manteiga é pra chocar as desavisadas). Sutileza, peitos à mostra, gemidos escondidos no travesseiro, focos das mãos nas costas e muito mais para uma imaginação fértil. Perfeito para tardes românticas antes durante ou depois dos encontros com um amor.
Sem amor, a coisa toda fica mais selvagem. E no sexo, vale tudo, desde que a gente goste. Então pornô, pra mim, é o que eu gosto de fazer entre quatro paredes.


Era ela, a deusa do espaço, quem comandava as orgias sexuais em sua cama

Emmanuelle! O grande clichê pornô foi para mim, como para a maioria de 20 a 30 anos, a primeira experiência sexual da vida. Experiência sexual sim, por que Emmanuele seduzia, conquistava para, só então ceder aos prazeres da carne. E tudo com muita classe! Emmanuelle era o tipo de pornô que identifico como feminista. Era ela, a deusa do espaço, quem comandava as orgias sexuais em sua cama, banheira, sala, nave espacial. As cenas eram muito sutis, apesar de sensuais, e é essa sutileza pornô que muito me agrada.
Gosto mesmo de pornôs e já até me arrisquei a assistir alguns mais modernos, Alexandre Frota e coisa e tal. Mas, convenhamos, são todos muito machistas! O homem é o fodão (!) e a mulher a louca do sexo; o corpo da mulher é mostrado a partir da dominação do macho. Ora, mulheres também assistem pornôs. E pode parecer papo de menininha mimimi, mas não tenho lá muita disposição para ver uma cena inteira tendo um pênis como protagonista.
Gosto mesmo é do pornô sensual, porque sexo, ainda que sacana, pode ser mais bem aproveitado cinematograficamente. Emmanuelle é a diva do pornô, e isso ninguém me tira.




Não sou dessas mulheres moralistas e castas, mas eu sempre vi o filme pornô como algo direcionado aos homens

Eu devo ter visto mesmo dois filmes pornô na minha vida. Foi aquela coisa de curiosidade, de se reunir com as amigas e ver como é que era. Lembro-me que emprestamos os filmes de um amigo nosso. Não me recordo do nome deles, mas lembro-me que um era brasileiro e outro americano e os dois eram igualmente toscos. Foi bem hilário assistir, na verdade. Mas, sendo sincera, tirando essa vez, eu nunca tive interesse de assistir sem ser na "zueira". Não sou dessas mulheres moralistas e castas, mas eu sempre vi o filme pornô como algo direcionado aos homens. Não sei se é porque eu não conheço ou se os exemplos que tenho em mente não me são atrativos, mas eu realmente não me interesso por esse tipo de filme.
Agora, em relação a filmes "eróticos", acho mais interessante, até porque eles têm um roteiro igualmente interessante. O meu favorito é o drama espanhol "Lucía y el sexo". Não foi exatamente por ser um filme erótico, mas eu realmente indico para quem se interessa por filmes mais picantes. Gosto dele por ele ser atrativo tanto para os homens, quanto para as mulheres. E vale a pena assistir com o namorado/peguete/amigo colorido, viu?




Outro dia, vi um que era com duas mulheres, e elas eram normais, gordinhas

O primeiro filme safado que vi foi “Gabriela Cravo e Canela”. Não é pornô, mas também não é coisa indicada pra uma menina de 10 anos, convenhamos. Estávamos eu e um primo na sala, os adultos lá fora, e o filme passando na globo. Ficamos quietinhos, controle remoto na mão, esperando chegar outra cena igual à que nos fez parar no filme. E chegou. Rimos como quem descobre aquilo que os adultos por anos tentaram nos esconder. Depois disso, anos depois, veio Emmanuelle. Que atire a primeira pedra aquele que nunca ficou de madrugada, com a TV ligada baixinho, esperando começar o cine Privé na Band. Eu adorava! Por fim, cheguei ao pornozão. O primeiro foi o filme da Gretchen, e vi com certo estranhamento. Convenhamos, a língua daquele ex-marido dela é enorme e ela faz umas caras bem estranhas. Depois, ví coisas mais legais. A maioria dos pornôs assisti ao lado de namorados e curti. Outro dia, vi um que era com duas mulheres, e elas eram normais, gordinhas, nada siliconadas. Gostei muito, mas ainda é difícil ver coisas assim: os filmes pornô – a maioria deles, ainda são feitos para se encaixar na imaginação dos homens. Mas a gente também tira algum proveito mesmo assim.


mas o sexo explícito em si é algo que serve para expandir a sua criatividade

Bem, não assisti a muitos filmes em toda a vida, mas claro que na época da adolescência ninguém fugia muito daqueles, tipo Emmanuelle, até porque passavam em TV aberta. No geral, hoje como adulta já vejo um sentido, penso que é uma forma de ver o sexo não como um tabu, mas como uma necessidade do corpo, além de estimular a criatividade ver cenas mais picantes também aumenta a libido, claro que não gosto muito daqueles em que rola baixaria ou violência, mas o sexo explícito em si é algo que serve para expandir a sua criatividade e deixar a sua imaginação muito mais aguçada. Além de filmes, acredito que outra coisa que estimula bastante são os contos eróticos, já que te fazem criar todo um cenário e personagens que podem te levar a conhecer outros desejos na vida real, afinal, fantasiar e desejar sensações não é coisa só de homem, é do ser humano.





Descobri, sem pudores, que pornografia não era bem a minha área

Lá em casa sempre foi tranquilo falar de sexo. Cresci achando que sexo era aquela coisa lenta e poética que passa nos filmes românticos e que a gente se arrepia toda. Nunca fui atrás de ver filme pornô, o mais forte que tinha visto era "Calígula" e "De Olhos bem fechados". Até que me mudei para uma casa em que o slogan é Girls Watch Porn e onde se dizia que menina curte pornô sim. A verdade é que não tenho quaisquer pudores com filme pornô, mas a primeira vez que eu vi reparei muito mais na unha comprida e branca demais da atriz e nos tapinhas sucessivos que, algumas vezes são sexies, mas repetidamente parecem um pouco retardados. As caras são falsas demais, também a falta de roteiro me incomoda. Descobri, sem pudores, que pornografia não era bem a minha área, e que me tinha muito mais tesão com filmes eróticos do que exatamente pornôs. É a mesma coisa com fotos de mulheres nuas: sempre achei lindo mulher nua, mas quando começa a ter close demais, dedos demais, úteros demais, o tesão acaba. Porque eu não gosto de genitálias saltitantes, eu gosto do conjunto, porque transar envolve cada pedaço do nosso corpo, e só esses pedaços juntos conseguem dar tesão.

8 comentários:

Gisela Zaffalon Bobato disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Uiiii, que post gostoso!!! Esse blog arrasa!

Ellien disse...

Amoooo desamélias! Vamos desameliar esse mundo! Qual será que foi o meu depoimento? Haha!

Anônimo disse...

ADOREI a matéria. Ficou excelente e muito bem colocada. Pena que não vemos isso todos os dias. Parabéns....a qualidade é excelente!

Vanessa Matos

Alexandre Piccolo disse...

Muito bom conjunto: a miscelânea de textos diferentes realça, pros desavisados, as mulheres diferentes que existem por aí (inclusive no Desamélias). Os "depoimentos" ficaram ótimos, cada uma expressando seu ponto de vista e suas memórias, impressões..., com direito até a conclusões antropológicas profundas ("o corpo da mulher é mostrado a partir da dominação do macho" - vai fundo, mulher, não pára... rsrsrs). E os textos confirmam o que anuncia o "prólogo": Emmanuelle é mesmo "hors concour" entre as muitas adeptas ao sensual, ao erótico (e não ao pornô, que fique bem claro).

De novo, ótimo post!

Anônimo disse...

Quando me convidaram não pensei duas vezes em aceitar, pq sabia que o resultado seria ótimo e não estava errada! É isso aí mulheres, vamos continuar mostrando que tbm temos desejos, curiosidades e muita sabedoria!!
Qual será é o meu depoimento?? Rsrsrs

Thayara

C.K disse...

ADOREI também essa matéria ;-)
Emmanuelle e françesa ;-)
O primero filme "Emmanuelle" e um filme Erotico que estrella com a Sylvia Kristel em 1974 na frança.

Toninho Moura disse...

Filme pornô é sacanagem!