segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Mais macho que muito homem...

Olá, gente bonita e cheirosa.

O tempo nunca esteve tão seco, avisa a meteorologia. E eu estendo isso para o mundo masculino. Eu socializo com uma quantidade bastante diversificada de mulheres e o fato é unanimidade: falta homem. Ai você, pobre leitor, bufa e fiz "mas eu tô aqui, sua linda". Ai é que tá, você está. A tia vai desenhar:

O cara bonito, era burro; o inteligente, completamente lerdo e sem borogodó; o bonito, inteligente e charmoso acha um absurdo você ganhar mais do que ele ou entender muito mais de cinema. Se for tudo isso, e não achar, é gay e seu melhor amigo.

GENERALIZEI? Mas é claro que eu generalizei, porque é impossível falar de guerra de sexos sem fazer algumas generalizações. eu mesma conheço um cara bonito, inteligente, legal, bem humorado e que me aceita como eu sou, mas não cabe falar de exceção agora. Vamos para a regra.

Apesar da heterogeneidade de mulheres com as quais convivo (latinistas, professoras, veterinárias, modelos, designers, médicas), elas todas tem algo fundamental em comum: inteligência. E não afirmo isso só porque todas tem superior (quase) completo ou estão no mestrado, mas porque são mulheres com uma gama variada e inesgotável de assunto e com total flexibilidade para discutir o que lhes aprouver. Não é exceção que a maioria delas ganham bem para idade, são pessoas de destaque no âmbito-acadêmico profissional e, para além disso tudo, são bonitas. E por que a maioria reclama dos homens?

Falo por mim e por elas: estamos mais seletivas. Achamos lindo o moço quadradão (porque engenheiro é taxativo demais) que entende de cinema,  conhece música clássica, fala 12 línguas,  mas ele não entende que a gente só queria sexo e quer ser indiferente. A gente também acha um máximo pessoas ambiciosas, mas não venha nos contar que você não curte ler e que acha literatura um saco. Ou pior, não reclame que somos independentes demais e que isso lhes incomoda. Lanço as perguntas:

1- Por que mulheres não poderem querer só tato sem envolvimento amoroso? E porque quando deixamos claro nosso interesse meramente sexual, vocês criam histórias para parecer que a gente se apegou a vocês? Não, não foi exatamente a você que a gente se apegou. só a um pedaço específico de você. Homem tem medo de mulher bem resolvida? Espera sempre amorzinho de nossa parte?

2- Qual o problema de pagar minha conta? E a sua? Homem tem medo de mulher independente?

3- Por que - quando não estão com a gente- os homens assumem que tem medo de mulheres inteligentes? 


O medo deveria ser tesão, e às vezes, como foi constatado, é. "Nossa, você é muito inteligente", mas no dia seguinte eu não vou te ligar, porque né, não dar conta de discutir política com você, menos ainda economia, menos ainda a diferença entre magenta e rosa choque.

Porque sou justa: inverto a situação. Raro, rarissimo, ver uma amiga falar o seguinte: "burro, não consigo conversar com ele, mas ah, é gostoso e eu pego". Já homens... Ok, mulher tem esse defeito! Falo por mim, sou a pior delas. Consegue me conquistar na hora se o cara fizer alguma piada inteligente e bem cruel de maneira pacífica e quase indiferente. Ou sabe o que tá escrito na minha tatuagem em latim. Ou mais, sabe de onde vem a citação. E a gente não tem medo deles, quanto mais inteligente melhor, mais sexy, mais vontade de?

aprender.


Taí: minha única conclusão da noite: mulher tem mais tesão em aprender, enquanto a maioria massacrante dos homens já acha que sabe o suficiente ou que não é com a gostosa de cinta-liga que ele tem que descobrir algo novo.

Que pena, amor. Que pena!


A discussão não para, é só o começo. Aguardo as pedras e os beijos!

Rosa.

3 comentários:

vinicius disse...

Antes de tudo sou praticamente forçado a dizer, além da razão: acho que vou morar em campinas!

Uma questão me inquieta: é comum no meu cotidiano, ao deparar com o sexo oposto em momentos casuais propícios a um envolvimento sexual, ao construir um ambiente de conversa interessante, estimulante e muitas vezes, dependendo do teor alcoólico, filosófico, acabo iniciando um debate, e no meio do assunto sobre a variação da fé em setores sociais, ou a moralidade sexual reprimida, ou até mesmo o ganho sexual que um sapato com o solado vermelho dá a certas mulheres, vejo a bela moça beijando outro cara que simplesmente pagou uma cerveja e chegou agarrando, o que me trás um descontentamento bem desagradável, e nesse caso devo generalizar também, porque não foi só uma vez, logo, piadas inteligentes não me levaram aos braços largos de uma mulher atraente, mas geraram amizades sem conteúdo sexual, o que é bom numa tarde de domingo, mas não acolhe a outra cabeça pulsante. Creio então estarmos, apesar das generalizações, falando de casos isolados de gostos peculiares, pois quanto mais eu leio menos mulher eu pego, e como disse Aldous Huxley: "Um intelectual é uma pessoa que descobriu algo mais interessante do que sexo."
Eu ainda não posso ter na vivência essa certeza, mesmo porque minha fase niilista já passou, "... a nostalgia da imoralidade" como diria Machado, me estimula mais.
Fica a questão, devemos nos livrar da generalização e investir argumentos para a interessante minoria, ou deitar no colo da esperança?

gipicles disse...

hahaha

Verdade, tem uns que não aguantam a ideia de sair por baixo numa discussão sobre política, economia u o que seja. Tem outros que não aceitam que paguemos a conta. Qual é o problema de mulher pagar a conta? o meu namorado responde "Qual o problema de eu pagar a sua conta?"
Então talvez às vezes eu me sinta do lado oposto porque não gosto de ninguém pagando nada pra mim.

AleXXX disse...

"Que pena, amor. Que pena!": Raça Negra forever!